A Fábrica como uma Floresta: reinventando instalações como ecossistemas

A Interface tem um histórico de olhar para a natureza como inspiração. Quando a empresa abraçou a sustentabilidade pela primeira vez em 1994, uma das primeiras perguntas que fizemos foi: “se a natureza projetasse uma empresa, como ela funcionaria?” Esse pensamento inicial nos ajudou a criar uma estrutura para reprojetar nossos negócios e transformá-los em algo que não tivesse impacto negativo e possuísse uma influência restaurativa.

Em colaboração com Biomimicry 3.8, desenvolvemos uma metodologia através da qual nós e outras empresas podemos transformar instalações a partir da “pegada zero” para fornecer os mesmos benefícios que os ecossistemas de alto desempenho. Chamamos essa metodologia de “a Fábrica como uma Floresta” (FaaF).

Erin Meezan, Diretora de Sustentabilidade na Interface, e Nicole Hagerman Miller, Diretora-Geral Biomimicry 3.8, falou recentemente sobre a metodologia na Sustainable Brands Vancouver, e na Sustainable Brands Buenos Aires em setembro de 2018. Aqui, a dupla se envolve em conversas sobre a metodologia e a capacidade de ser usada universalmente.

A “Fábrica como uma Floresta” criou um grande burburinho na SB’18 Vancouver. Como surgiu essa colaboração entre a Interface e a B3.8?

Erin Meezan: “em 2016, a Interface tomou a decisão ousada de ir além da Mission Zero® e nos imaginar como um negócio positivo. Foi a Janine Benyus da Biomimicry 3.8 que conectou nossa visão com uma pergunta instigante que o Ray Anderson lhe perguntou no início da jornada de sustentabilidade da Interface: “como podemos fazer a nossa empresa funcionar como uma floresta?” Ele também refletiu com a Janine e o trabalho de sua equipe, as Normas de Desempenho Ecológico (EPS), que levou a essa colaboração pioneira. A ideia era construir métricas que serviriam de referência para nossos negócios, a fim de mudar a forma como construímos e operamos nossas fábricas.

Roteiro da Interface: chaminés para a Missão Zero para Fábricas como Florestas

Nicole Miller: “o que estamos buscando é uma estratégia holística para empresas que possam apoiar e se alinhar a outras metas de sustentabilidade e construir padrões. A colaboração entre a B3.8 e a Interface iniciou uma conversa sobre o uso da natureza como nossa melhor referência e, se alcançarmos esse nível, alcançaremos a verdadeira sustentabilidade. O conceito fornece uma visão para iniciativas que, de outra forma, podem parecer fragmentadas, mas, em última análise, suportam um objetivo de longo prazo de ir além do zero líquido.

O que inspirou a metodologia FaaF?

EM: “a FaaF é baseada em duas crenças centrais. A primeiro é que a natureza é um modelo incrível de sustentabilidade e produtividade e a segundo gira em torno do pensamento emergente de impacto positivo. Foi desenvolvida através de um método iterativo de vários anos em um processo de quatro etapas. Os estudos iniciais em torno de um ecossistema local e suas funções foram realizados em nossa fábrica em Minto, Austrália. A metodologia foi então levada para a fábrica em LaGrange, na Geórgia, onde as métricas reais foram desenvolvidas. Estamos agora na primeira fase para implementar algumas das recomendações de design.

Quatro passos do chão da fábrica ao chão da floresta

A metodologia é aplicável apenas a instalações de produção ou há potencial para dimensionamento?

NM: “a intenção do projeto é ir além das paredes da fábrica em LaGrange e se envolver com outros fabricantes dentro e ao redor da área para ter um impacto maior. Estamos explorando como poderíamos aproveitar nosso conhecimento em LaGrange para determinar o que poderia funcionar para outros projetos. À medida em que começamos a fazer isso, todas as ideias de design orientadas por métricas que desenvolvemos se tornam um repositório de práticas recomendadas que podemos desenvolver conforme aprendemos mais sobre diferentes ecossistemas”.

EM: “a FaaF trata da aplicação da biomimética em uma escala sistêmica maior do que apenas aplicá-la ao design do produto. Também usamos a metodologia desenvolvida em LaGrange para influenciar o design da nova sede da Interface para as Américas, no centro de Atlanta, já que ambas pertencem ao mesmo ecossistema. Normalmente, as métricas desenvolvidas para um projeto não podem ser replicadas em outras instalações, já que todo ecossistema de alto desempenho é incrivelmente complexo.

A fábrica da Interface em LaGrange emprega mais de 1000 pessoas. Qual foi o comprometimento do funcionário para este projeto?

NM: “sabíamos que os objetivos eram ambiciosos, por isso não tínhamos certeza sobre como seriam recebidos. O que descobrimos foi que os funcionários não só estavam muito engajados em aprender sobre seus ecossistemas locais, mas também visto que estávamos usando essas informações para criar um ambiente de trabalho melhor provou ser um grande condutor para o apoio dos funcionários”.

As métricas desenvolvidas em um local podem ser replicadas em outro?

EM: “uma vez que identificamos as principais funções e EPS do nosso ecossistema local, temos que avaliar isso em relação ao tamanho da empresa e nossas metas e aspirações de sustentabilidade, além de outros fatores, como a quantidade de terra disponível, as realidades do local e as possíveis restrições enquanto a fábrica funciona como seu ecossistema natural.

NM: “embora saibamos que o carbono, a água, o solo, a atmosfera e a biodiversidade são métricas cruciais, também sabemos que cada local é único e que analisamos outros recursos específicos desse ecossistema. A coleta de dados e a análise de lacunas nos ajudam a identificar os marcos certos para nossos edifícios com base na localização”.

Ainda que a Interface sempre tenha tido um foco em sustentabilidade, foi necessário convencer a equipe sênior?

EM: “nós não precisamos convencer nenhuma das equipes seniores e acho que isso é apenas um reflexo dos objetivos da Interface. Para projetos futuros, gostaríamos de nos envolver com as equipes de operações e instalações logo no início para aumentar a familiaridade e obter feedback”.

Se enfrentaram algum desafio ao implementar a FaaF, como o superou?

EM: “os desafios que encontramos foram específicos por sermos os pioneiros em um projeto. O primeiro foi ter que buscar alocação orçamentária para o projeto sem conhecer o resultado ou custo final. O segundo foi que, viajando para o futuro, o funcionamento de nossas fábricas seria baseado em um plano de aspiração e não em um plano concreto. Nossa visão de longo prazo de ter um impacto positivo e a perspectiva da B3.8 visualizando esse futuro para nós ajudaram a superar esses desafios”.

Qual é o futuro do projeto Fábricas como Florestas e como outros podem fazer parte da jornada FaaF?

NM: “o próximo passo para nós é compartilhar nossas experiências com os outros. É muito importante que ajudemos as pessoas a ver que isso vai além de uma visão, que é real, tangível com impactos mensuráveis ​​- tanto a curto como a longo prazo. Como um passo imediato, criamos um ferramenta de avaliação para ver se é o certo para você / sua organização. E para aqueles que querem fazer parte da jornada, seja reproduzindo as métricas da Interface em LaGrange ou quantificando o objetivo de desempenho do seu próprio local, sinta-se à vontade para entrar em contato comigo nicole.miller@biomimicry.net.

 


Featured Image Photo Credit: Talia Arbit

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados

GreenBiz 2018: A Nova Economia do Carbono e Outras Observações

25 Abril, 2018

“Este ano no GreenBiz, a nossa Diretora de Sustentabilidade (CSO) Erin Meezan participou de um painel chamado “Construindo uma Nova Economia do Carbono: Estratégias para a transformação dos resíduos de carbono de riscos a recursos. “Nós nos reunimos para esclarecer o que isso realmente significa e como as empresas podem trabalhar ao lado de instituições…