A Associação de Arquitetos de Ontário atende às Metas de Carbono Neutro

Considerando sua função como órgão regulador, promotor e recurso para arquitetos canadenses em Ontário, não é de se surpreender que a Associação de Arquitetos de Ontário (OAA) quisesse que seu prédio da sede da Don Mills em Toronto atendesse aos mais elevados padrões sustentáveis. Originalmente projetada pela arquiteta de Toronto Ruth Cawker, que venceu uma competição em toda a província por criar, em 1988, o prédio para a instalação da sede que foi desenvolvido para atender ao Padrão R-2000 do Canadá, uma referência energética e ambiental mais elevada do que os padrões da época. Mas, desde que a OAA ocupou o prédio e cresceu de forma constante nos últimos 25 anos, muita coisa mudou, e seu uso de energia tem sido muito maior do que a média de novas estruturas de escritórios de baixo crescimento, em partes devido ao sistema mecânico desatualizado da estrutura de 22.000 pés quadrados. Assim, quando o Conselho OAA revisou suas opções para atualizar a instalação, ele optou por redesenhar a estrutura existente não apenas para atender aos objetivos de carbono neutro estabelecidos pela organização sem fins lucrativos Architecture 2030 em seu Desafio 2030, mas também para superá-los.

Exterior of OAA building

“Nosso papel principal como organização é promover a arquitetura em Ontário e manter os arquitetos alinhados com os parâmetros globais”, diz a arquiteta Sheena Sharp, presidente do comitê de construção da OAA. “Devido ao nosso mandato, o Desafio 2030 é aplicável aos nossos objetivos de educar arquitetos e o público sobre o valor da arquitetura e servir como um regulador para a profissão.” Sendo assim, o comitê de sustentabilidade da OAA estava determinado a demonstrar um senso de liderança no que diz respeito ao consumo de energia e recomendou a reforma do edifício para aproveitar ao máximo seu carbono incorporado inerente, ao invés de construir um novo. “No início, o carbono incorporado não estava em nosso radar”, lembra Sharp, “mas sabemos que não podemos jogar fora edifícios e começar de novo. Essa é a mensagem errada. A preservação e reforma do prédio também atendeu aos nossos objetivos culturais e financeiros. Todos estavam nos levando na mesma direção.” Portanto, uma vez que a OAA decidiu reformar sua sede, tanto a energia operacional quanto a incorporada guiaram suas decisões para garantir que o desempenho do ciclo de vida do edifício fosse o mais ambientalmente sustentável possível.

Lançado pela primeira vez em 2006, o Desafio 2030 serve como um apelo à arquitetura global e à construção de comunidades que atendam a uma série de padrões de desempenho em etapas para lidar com as ameaças das mudanças climáticas. Apoiado pelo Instituto Americano de Arquitetos desde 2010, sua meta inicial para projetistas de novos edifícios e grandes reformas era atender a um padrão de desempenho de consumo de energia de combustível fóssil e emissão de GEE de 70% da média regional para qualquer tipo de edifício comparável na mesma época. Em 2020, essa meta aumentou para 80%, em 2025 aumentará para 90% e, em 2030, o objetivo de edifícios novos e substancialmente renovados é ser neutro em carbono, o que significa que não precisarão de energia de combustível fóssil para funcionar. E quando a OAA abriu suas portas novamente em junho de 2019, após sua grande reforma e renovação interna, a estrutura atualizada não só atendeu às metas de carbono neutro do Desafio 2030 dez anos antes do previsto, mas também se manteve como um exemplo pioneiro de design sustentável. “Queríamos fazer da estrutura existente um grande edifício, mas também queríamos contribuir com o conhecimento para questões sociais importantes e educar nossos membros”, afirma Sharp.

Adaptação do edifício para atingir metas de carbono neutro

“A renovação envolveu dois grandes fatores: uma adaptação profunda do sistema de energia e uma renovação interior”, diz Kristi Doyle, diretora executiva da OAA, que atribui os méritos ao comitê e ao arquiteto do projeto David Fujiwara, que assessorou a adaptação estrutural e mecânica, transformando o edifício em um modelo de sustentabilidade. Uma das etapas que Fujiwara passou para cumprir as metas de carbono neutro foi melhorar a acústica e substituir seu sistema mecânico e janelas. “Revisamos as características do edifício que poderiam funcionar a nosso favor ou serem desafiadoras”, diz Fujiwara. “A orientação do edifício, que está virado para o sul, sem sombra de outros edifícios ou árvores, era ideal e a cobertura de aço servia como um local perfeito para os painéis solares fotovoltaicos que podem produzir cerca de 100 MWh de energia por ano. Mas a acústica do edifício precisava de um isolamento melhor e as janelas em tiras do escritório precisavam ser atualizadas, de vidros duplos com moldura de alumínio para vidros triplos com moldura de fibra de vidro com sombreamento eletrocrômico, filme de baixa emissividade e preenchimento com gás argônio”. O arquiteto também encontrou espaço no local da propriedade para perfurar quinze poços em loop de 600 pés de profundidade em rocha sólida para criar um sistema geotérmico para aquecimento no inverno e resfriamento no verão.

Estratégias e materiais de interiores

Embora a reforma interna do escritório não integrasse o plano original, à medida em que o desenvolvimento do design avançava, ficou claro para todos que atualizar o layout interno do escritório não apenas melhoraria a funcionalidade, o fluxo e a transparência do ambiente de trabalho da OAA, mas também complementaria os objetivos ambientais da organização. Trabalhando com Designers de Interiores para ajudar no planejamento funcional do layout, que consistia principalmente em escritórios privativos de 9′ x 15′, a OAA optou por começar do zero e converter os escritórios em grande escala nos dois andares superiores dos 3 andares de construção em áreas de trabalho em conceito aberto.

Interior cafe view of OAA building

Image ©2019 Steven Evans c/o ImagingTree.com

No espaço redesenhado, a maioria dos membros da equipe da OAA são agrupados em conjuntos funcionais e trabalham de forma colaborativa em amplas estações de trabalho em L, emparelhadas, e com acesso à luz natural que entra pelas janelas. “A mudança para um escritório de conceito aberto também se encaixou perfeitamente com as mudanças nos sistemas de HVAC e de iluminação”, observa Fujiwara. Embora os interiores atualizados agora incluam apenas três salas privativas, há diversas novas salas de reuniões fechadas de diferentes tamanhos e equipadas com aparelhos de videoconferência de última geração, que oferecem espaços de colaboração semiprivados no terceiro andar e com vista para o átrio de altura dupla e espaço de café no centro do edifício, no primeiro andar.

“Com as mudanças no interior, conseguimos aumentar significativamente o número de pessoas que poderiam ocupar o espaço para serviços aos membros”, diz Sharp. “Embora tenhamos uma equipe de 30 pessoas, atendemos 4.500 membros que usam todo tipo de computador e 38 comitês de arquitetos que se reúnem regularmente na sede. Também somos um órgão regulador, portanto, se houver queixas públicas ou violações, conduzimos processos disciplinares e judiciais que exigem advogados e audiências de emergência. Além disso, cuidamos do processo de licenciamento e fornecemos treinamento para arquitetos estagiários e exames online. O que significa que todos, desde estagiários até arquitetos licenciados, visitam regularmente o prédio”, diz Sharp. “Portanto, ao reconfigurar o espaço para adicionar cinco salas de reuniões e criar um café e áreas de lounge onde você possa trabalhar de forma independente em notebooks, basicamente dobramos a quantidade de pessoas que podemos atender com a mesma quantidade de energia, embora não exista uma métrica para medir isso.”

Materiais importam

From a materials perspective, the carpet tiles from Interface that cover the floors throughout also contribute to the building’s carbon neutral equation even though metrics for materials were not included in OAA’s calculation to meet the 2030 Challenge. Knowing of its longstanding history as a leader in the manufacture of eco-friendly flooring, Fujiwara intuitively gravitated to Interface flooring for the offices. “I was aware that Interface had a commitment to sustainability and was drawn to the company’s products when I found out they used recycled content in the carpet yarn and post-consumer content in the tile backing,” says Fujiwara, who worked with Eve Marshall Interior Design and the OAA’s building committee to choose the interiors finishes. After reviewing several options, the team selected two complementary colorways of SummerHouse Shades™ carpet tiles from Interface’s World Woven™ Collection to bring a sense of warmth and cohesiveness throughout the office interiors.

Summerhouse Shades carpet tile from Interface inside the OAA building

Além de seus atributos sustentáveis, várias outras qualidades levaram a equipe a escolher o carpete modular da Interface, incluindo seu design atraente e de alta qualidade, durabilidade, facilidade de manutenção e preço acessível. “Eu estava procurando por um padrão que não fosse excessivamente pré-determinado e repetitivo, tivesse variedade e textura e fosse um tanto retilíneo”, diz Fujiwara. “O padrão Summerhouse Shades tinha as qualidades que eu buscava.” Além das características estéticas do carpete, o cliente apreciou especialmente seus benefícios pragmáticos. “O carpete traz uma sensação de energia ao espaço”, explica Sharp. “Também é bom o fato de ser em módulos, porque se alguém derramar café durante o dia de trabalho, você pode facilmente trocar o carpete. Esses módulos de carpete não apenas aderem corretamente, como também se soltam facilmente. O custo também foi um benefício, uma vez que os módulos tinham preços razoáveis. E o carpete, assim como o forro, absorve o som no espaço aberto do escritório.” A confiabilidade e a longa história da Interface como empresa também tiveram um papel importante no processo de seleção de carpetes. “A Interface tem uma boa reputação e está no mercado há muito tempo. Então, sabíamos que se precisássemos substituir mais módulos, eles ainda estariam por aqui por um bom tempo”, acrescenta Sharp.

Mensurando o produto para atender ao Desafio 2030

Enquanto as métricas das qualidades sustentáveis ​​do carpete não foram levadas em consideração na tomada de decisão para o projeto da OAA, os módulos Summerhouse Shades, como todos os produtos da Interface, fazem parte do programa Carbon Neutral Floors™ da empresa, que não garante apenas por terceiros que verificam a neutralidade de carbono de todos os seus produtos em todo o seu ciclo de vida, mas também calcula o impacto de carbono do piso para que os clientes possam ver sua contribuição em direção a redução do aquecimento global.

Na verdade, a trajetória da Interface com a produção de produtos ecológicos, bem como seu papel de liderança na evolução da orientação para produtos no Desafio 2030, abriu um caminho para outros fabricantes de produtos e a indústria. “Não há entidade com fins lucrativos no mundo que esteja mais alinhada com o Architecture 2030 do que a Interface”, afirma Mikhail Davis, diretor de sustentabilidade técnica da Interface. Reconhecendo que o Desafio 2030 estava focado apenas nas emissões operacionais quando foi lançado em 2006, o Architecture 2030 voltou também sua atenção para o carbono incorporado nos produtos como parte da equação visando a neutralidade de carbono.

“Eles perceberam que toda a questão do carbono incorporado era talvez tão relevante quanto o desafio operacional e, então, em 2011, eles desenvolveram o Desafio para Produtos de 2030 com a ideia de que os fabricantes se comprometeriam com uma redução de 50% na pegada de carbono de seus produtos até 2030, com base em dados de Declarações de produtos ambientais. “A Interface foi a primeira empresa a se inscrever”, afirma Davis. “Fomos a primeira empresa de qualquer tipo na América do Norte a publicar uma Declaração de Produto Ambiental em 2009, e nossos produtos já estavam no caminho certo para cumprir a meta de 2030. A questão é que a maioria das empresas nem havia lançado um EPD em 2011 e, como resultado, não poderia se comprometer. Portanto, o esforço foi arquivado devido à falta de adoção e referências claras.”

Cafe inside the OAA building

Image ©2019 Steven Evans c/o ImagingTree.com

Desde então, no entanto, a Interface tem trabalhado com o Architecture 2030 para promover uma ferramenta baseada em atributos, a Carbon Smart Materials Palette, para permitir que os projetistas reduzam o carbono incorporado mesmo quando os dados EPD não estão disponíveis. “Nosso desafio agora é fazer com que o mercado se preocupe com o carbono incorporado e mantenha a concentração nele, e estamos trabalhando com o Architecture 2030 e outros para que isso aconteça”, diz Davis. “Então, adoramos que projetos como o da OAA estejam envolvidos no processo.” A Carbon Smart Materials Palette (materialspalette.org) permite que os usuários procurem ou evitem atributos específicos em cada categoria de produto que afetam as emissões de carbono incorporadas, uma abordagem “especifique isto, não aquilo” para designers que não têm tempo para fazer uma análise quantitativa usando EPDs.

“Como regra geral, se um projeto é uma nova construção com grande trabalho estrutural envolvendo concreto e aço, o piso terá menos de 5% do carbono incorporado do projeto, mas se você estiver fazendo uma reforma ou melhoria do espaço, o piso pode representar 20%”, diz Davis. “Portanto é uma escolha muito importante.” A amostra de carpete na paleta de materiais explica que o principal fator de emissão de carbono incorporado no carpete é o uso de fio de náilon virgem. “Nada mais pode reduzir o carbono tanto quanto usar carpete feito com fio de conteúdo reciclado”, diz Davis. “Se você mudasse para náilon com conteúdo 100% reciclado, o que fazemos em mais da metade de nossa linha de produtos, sua pegada seria reduzida pela metade imediatamente. Outros conteúdos reciclados não representam tanto.”

No projeto da OAA, os carpetes modulares de Summerhouse Shades com base GlasBac™ têm 30% menos emissões de carbono incorporado em sua pegada de carbono cradle-to-gate  (desde a criação até a remessa pela fábrica) por metro quadrado do que a média dos carpetes comerciais norte-americanos, conforme calculado pela Calculadora de Carbono Incorporado para Construção EC3. EC3 é uma ferramenta de design gratuita originalmente criada pelo Carbon Leadership Forum da Universidade de Washington que analisa dados sobre produtos de construção publicados em EPDs. “Cada 2.039,18 jardas quadradas deste produto comprado em comparação com a alternativa média equivale a eliminar as emissões de CO2 de dirigir um carro médio por mais de 28.000 quilômetros”, diz Davis.

O produto Summerhouse Shades é feito de náilon 100% reciclado, incluindo conteúdo pós-consumo de redes de pesca coletadas no porto de Steveston na Colúmbia Britânica e pela parceria Net-Works™ de escala de vila da Interface, que apoia comunidades de pesca de subsistência nas Filipinas e Camarões. Ele também tem um rótulo de Fatos Ambientais Certificados GreenCircle que mostra quão reciclável é o produto verificado no final da vida útil, juntamente com mais de 30 outras declarações ambientais verificadas sobre seu impacto.

Preparo para um mundo pós-Covid

Como a OAA teve a oportunidade de ocupar seu prédio reformado por apenas alguns meses até que a pandemia obrigasse a equipe a trabalhar em casa a partir de março, eles não tiveram muito tempo para aproveitar os benefícios do novo espaço. Mas eles sabem que está preparado para atendê-los bem em um mundo de trabalho pós-Covid.

“O original sistema HVAC de ar-condicionado foi removido e substituído por um sistema de ventilação que fornece 100% de ar fresco em baixa velocidade”, diz Fujiwara. “Com o sistema de baixa velocidade, as gotículas de vírus têm menos probabilidade de se espalhar e tendem a se estabelecer nas proximidades de onde se originam.” Além disso, as novas salas de reuniões privativas com paredes de vidro foram feitas para grupos de tamanhos variados e essas salas podem ser usadas para acomodar grupos de diferentes tamanhos de acordo com as regras de distanciamento social. Elas também foram equipadas com aparelhos de videoconferência que permitem a colaboração e reuniões remotas. “Metade dos membros a quem servimos mora em Toronto, mas outros moram nas redondezas, de Thunder Bay, Ottawa e Windsor a Niagara e na costa oeste do Lago Superior”, disse Sharp. “A área mais distante atendida fica a cerca de 1.600 quilômetros de Toronto. Como as salas de reunião têm uma tela grande, podemos fazer uma combinação de reuniões locais e à distância.”

Image ©2019 Steven Evans c/o ImagingTree.com

Sharp também acredita que o carpete irá facilitar quaisquer ajustes que possam ser necessários para lidar com os requisitos de distanciamento social quando eles voltarem neste outono. “Todo o carpete uniforme será útil em termos de flexibilidade”, diz Sharp. “Isso nos permitirá reconfigurar sem dificuldades e não precisará mudar se precisarmos mover as estações de trabalho para mais longe.” Doyle acredita que o carpete também contribuirá para aumentar a produtividade. “Se as pessoas não gostam do carpete, isso afeta a forma como pensam, e uma das coisas que ouvimos de vários arquitetos é ‘ Oh, eu amo o carpete’”, diz ela. “Superou as expectativas de uma perspectiva estética.”

E embora a redução de carbono em relação à energia economizada devido ao trabalho remoto ou ao uso de produtos de interiores não fizesse parte do pensamento da OAA no início do projeto, Sharp sugere que a organização possa considerar olhar para esses fatores em uma análise pós-ocupação. “Não analisamos o carbono incorporado dos materiais durante o processo de design, mas eu poderia recomendar que fizéssemos um estudo para fornecer essa base. E poderíamos fazer uma métrica de economia de energia com menos viagens”, diz ela.

Enquanto isso, outras empresas interessadas em reduzir suas pegadas de carbono incorporadas em novos edifícios ou reformas no futuro agora têm mais opções da Interface para escolher. Pouco depois da conclusão do projeto da OAA, a Interface lançou os primeiros carpetes modulares do mundo com carbono incorporado negativo. “Nossa missão como organização é mostrar à comunidade empresarial como reverter o aquecimento global”, diz Davis. E de acordo com a visão de seu fundador, Ray Anderson, que estava comprometido em fazer da Interface a primeira empresa ambientalmente sustentável e restauradora do mundo, o plano de recuperação do clima da Interface estabelece um modelo que abre caminho para reverter o aquecimento global por meio da descarbonização radical e encoraja outros a fazerem o mesmo.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados

O Showroom da Inscape otimiza o bem-estar e a adaptabilidade

28 outubro, 2020

A Inscape, líder em soluções arquitetônicas e de móveis, desenvolve produtos e serviços com foco no futuro desde 1888. Quando surgiu a oportunidade de criar seu mais novo showroom em Toronto, eles sabiam que queriam promover um espaço acolhedor que estabelecesse uma nova referência de design para o local de trabalho em rápida evolução.