Calcular as emissões de carbono é fundamental para melhorar a saúde

 Nota do editor: Este artigo apareceu originalmente no Innovation Channel (Canal de Inovação) da revista Interior Design Magazine como parte de uma parceria de conteúdo. Foi editado para efeitos de clareza.

 

Na medicina, as ferramentas para diagnósticos são essenciais, possivelmente tão importantes quanto os avanços nos tratamentos. Por exemplo, o termómetro: no início do século XVII, o físico Gabriel Fahrenheit descobriu que a adição de uma ampola com mercúrio a um tubo de vidro estreito criava uma medida de temperatura mais precisa e eficiente, mudando para sempre o curso da medicina. Se bem que o termômetro de mercúrio não foi o primeiro meio de documentar as mudanças de temperatura – Galileo criou um dispositivo para fazer isso no final do século XVI – seu design minimalista e leituras precisas permitiram uma inovação amplamente acessível.

No que diz respeito ao corpo humano, uma infecção ou anormalidade só pode ser curada, ou tratada, quando a sua presença é conhecida, o que significa que há uma procura constante de avanços nos dispositivos de diagnóstico. O mesmo se aplica ao nosso planeta: os instrumentos que ajudam a medir, manter e restaurar o seu equilíbrio são mais importantes do que nunca. Os cientistas que estudam as mudanças climáticas dizem que o aumento da temperatura e do nível do mar irão desencadear imensos riscos para a saúde humana em todo o mundo. Qual é a boa notícia? Designers e fabricantes estão numa posição única para mitigar esta crise iminente, tomando medidas para neutralizar e, potencialmente, reverter uma força catalisadora do problema: as emissões de carbono.

Ilustração cortesia de Skanska, EUA

O dióxido de carbono – um gás incolor produzido pela queima de combustíveis fósseis, tais como carvão, gás natural e petróleo, e produzido também através da respiração – é o gás com efeito de estufa mais prevalente na atmosfera. Após a revolução industrial, a concentração de carbono na atmosfera disparou-se e continua a subir a níveis perigosamente elevados, ultrapassando as 400 ppm em 2013 – suficientemente quente para derreter blocos de gelo no Ártico – pela primeira vez na história, de acordo com a NASA. Como os gases com efeito de estufa absorvem calor, aquecendo o planeta, uma peça fundamental para manter limpos o ar e a água e retardar os efeitos da mudança climática é compreender a quantidade de carbono emitida por um determinado processo, produto ou edifício.

Agora há uma ferramenta disponível para ajudar os designers e fabricantes a fazer precisamente isso: a ferramenta Calculadora de Carbono Incorporado na Construção (EC3) criada em colaboração com o Fórum de Liderança de Carbono por Skanska, EUA, Microsoft, e C-Change Labs. A ferramenta EC3, que é um recurso gratuito de código aberto, permite aos usuários avaliar o carbono incorporado de seu edifício ou da cadeia de abastecimento do projeto, enquanto calcula uma medida holística das emissões de carbono geradas por cada projeto, equipando-os com o conhecimento para especificar e obter opções com níveis mais baixos de carbono com base nos produtos disponíveis. A ferramenta utiliza as quantidades de materiais de construção carregadas diretamente, importadas de modelos de Tally ou BIM360. A ferramenta também tem em conta uma base de dados robusta de Declarações Ambientais de Produtos (EPDs) verificadas por terceiros para avaliar as emissões globais de carbono incorporadas no projeto, impulsionando a procura de soluções com baixos níveis de carbono.

Com a ferramenta EC3, os designers podem perguntar: quantas emissões de carbono estão sendo liberadas para fazer o produto que estou especificando? “Se você não está escolhendo acabamentos inteligentes em termos de carbono, você está perdendo a maior oportunidade que tem de fazer a diferença no clima”, diz Mikhail Davis, Diretor de Sustentabilidade Técnica de Interface. Interface, líder mundial em sustentabilidade de pisos, juntamente com mais de 30 líderes da indústria, pressionou para acelerar o desenvolvimento da ferramenta EC3, dada a importância de reduzir os gases com efeito de estufa. Embora os produtos de Interface já tenham um enfoque de redução do carbono incorporado, a empresa está determinada em fazer mais, com o objetivo de ser uma empresa carbono negativa até 2040. Interface também está planejando lançar seu primeiro carpete modular carbono negativo no próximo ano, sendo pioneira em designs que ajudam a armazenar mais carbono do que emitem.

Interface tem um vasto portfólio de pisos neutros em termos de carbono, incluindo WW865™ da coleção World Woven™

“Aqueles de nós que especificam e fabricam diariamente produtos para o ambiente construído podem ter um impacto muito positivo tanto no planeta quanto na saúde pública”, diz Lisa Conway, VP de Sustentabilidade em Interface. “O poder das decisões inteligentes em matéria de especificação e da compreensão do que está por trás dos materiais que usamos é imenso”. O abastecimento com materiais que limitam ou reduzem as emissões de carbono, como o portfólio de produtos neutros em carbono de Interface – incluindo carpetes modulares, módulos vinílicos de luxo e borracha nora® – é um passo vital: um passo que os fabricantes e designers podem dar hoje.

Porém, o tempo é essencial. O ambiente urbano construído é responsável por 75% das emissões globais anuais de gases com efeito de estufa, sendo apenas os edifícios responsáveis por 39%, de acordo com Architecture 2030. Se a ferramenta EC3 vier a fazer parte integrante dos processos diários, a indústria de design liderará a mudança que o nosso planeta precisa, buscando processos de fabricação e princípios de construção mais ecológicos em todo o mundo. Desde a compra de compensações de carbono até a escolha de especificações mais inteligentes, os designers e fabricantes têm o poder de ajudar o nosso ecossistema a manter o seu equilíbrio, começando com um entendimento diferenciado do carbono.

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados

O carbono pode ser a melhor aposta da humanidade contra a mudança climática

29 Janeiro, 2020

Hoje em dia, parece que o planeta Terra tem inúmeros problemas ambientais. É fácil dar-se por vencido face aos relatórios diários, miríades de relatórios sobre as dificuldades da Terra. Alguns dos maiores problemas hoje em dia incluem a pletora de plástico nos oceanos, o desaparecimento de áreas selvagens engolidas por terras agrícolas de monocultura, e os níveis crescentes de dióxido de carbono na atmosfera. Mas, e se houvesse uma maneira de transformar um problema em uma solução?