Como o Envolvimento dos Sentidos Cria um Design Significativo

O que faz um espaço bem projetado?

É uma pergunta que gera muitas respostas. Talvez você esteja pensando em como isso promove o trabalho ou a atividade em questão. Ou um que seja saudável para os ocupantes e o meio ambiente. Ou talvez seja um espaço que equilibre habilmente as necessidades daqueles que o usam com os custos de sua criação.

Por fim, o objetivo de um ambiente interior é avançar a intenção de um espaço e envolver o usuário de maneira significativa. Uma maneira de fazer isso é projetar espaços para ativar os cinco sentidos básicos: visão, som, toque, olfato e paladar.

Overhead perspective of a woman on a couch. She's taken off her shoes and her bare feet, coffee cup, and seated position indicate her comfort in this workspace.

As conexões sensoriais e nossa relação com elas mantêm um significado e ajudam a moldar nosso senso de si (Produto mostrado: FLOR Turkish Smoke, Turkish Blend, and Turkish Bloom). Foto cedida por Steelcase.

A importância de envolver os sentidos

Você já experimentou aquele momento surpreendente de déjà vu quando o cheiro de um perfume familiar ou os primeiros compassos de uma música no rádio evocam uma emoção inesperada ou lembram uma memória distante?

Como indivíduos, consumimos informações através dos nossos sentidos, criando consciência (percepção). Em seguida, processamos essas informações em nosso entendimento (cognição), que por sua vez molda nossa realidade. Passamos nossos primeiros anos tentando “entender” o mundo – vendo, tocando, cheirando, provando e ouvindo o que está ao nosso redor. As conexões multissensoriais que se formam em nosso cérebro nos permitem criar significado e memória.1

Embora tendamos a considerar nossos sentidos individualmente, eles realmente funcionam em conjunto. Um ensaio introdutório à exposição de Cooper Hewitt, The Senses: Design Beyond Vision explica esse fenômeno. “As pessoas percebem objetos e espaços com som e toque, assim como com visão. As pessoas experimentam o som sentindo vibrações e vendo movimentos, bem como ouvindo. ” Quanto mais sentidos nós envolvemos, mais fortemente estamos ligados a um momento, um objeto, um espaço. Como resultado, o design está evoluindo para incorporar a experiência sensorial nos lugares onde vivemos e trabalhamos.

A forma e o espírito de um ambiente interior influencia a percepção, a experiência e o bem-estar dos funcionários e da cultura (Produto mostrado: Interface Urban Retreat UR103).

Onde ciência e design se conectam

Você pode influenciar como as pessoas se sentem dentro de um espaço através do seu design físico. Os aspectos físicos de um espaço não apenas estimulam a maneira como nos movemos , mas também criam um estado de ânimo ou energia que é percebida por nossos cérebros – consciente e inconscientemente. Essa percepção é então processada em nosso senso de si e em nossa maior experiência dentro de um ambiente.

Para criar uma experiência significativa para as pessoas em um espaço, você deve projetar para envolver a mente (percepção e cognição) e o corpo (os sentidos “físicos”) com um ambiente intencionalmente projetado. Pense nisso como uma equação simples:

Mente + Corpo + Ambiente = Experiência

Essa é a interseção entre neurociência, psicologia e design – pesquisas agora estão começando a provar o que nós, designers, entendemos sobre como as pessoas se envolvem com seus ambientes. Ou seja, que as pessoas são influenciadas pelo que veem, o que ouvem, o que tocam, o que cheiram e o que provam. Essas experiências multisensoriais inspiram reações mais fortes e memoráveis.

Um excelente exemplo dessa interseção entre ciência e design: A Space for Being do Google na Milan Design Week deste ano. A instalação interativa consistia em três salas com experiências sensoriais distintas; enquanto as pessoas se moviam por cada espaço, uma banda sensorial registrava suas respostas fisiológicas. Isso permitiu que os pesquisadores quantificassem a resposta consciente de uma pessoa a cada sala, juntamente com sua resposta corporal inconsciente. O experimento do Google é um passo à frente no desenvolvimento de uma compreensão mais profunda de como as escolhas de design afetam a percepção de um espaço.

 


“Arquitetura é a arte da reconciliação entre nós e o mundo, e essa mediação ocorre através dos sentidos.” – Juhani Pallasmaa


 

Como projetar para os sentidos

Nosso cérebro constantemente almeja estímulo. É por isso que adoramos estar na natureza, com sua infinita variação de paisagens, cheiros e sons. Não é apenas o céu sensorial; é mental e fisicamente restaurador.

Mas, como gastamos cerca de 90% do nosso tempo em ambientes fechados2, designers e arquitetos têm a responsabilidade de tornar nossos ambientes interiores igualmente saudáveis e estimulantes. Como se pode fazer isso?

Tudo se resume a uma abordagem de design centrada no ser humano.

Nos espaços de trabalho especificamente, é mais provável que as pessoas se envolvam com a visão, som e toque. Considere a forma de um espaço, a cor de uma parede, a luz de uma janela, o conforto de um tecido, o som de um piso. Cada um desses momentos é uma oportunidade importante para pensar nos sinais sensoriais de um espaço e em qual experiência você deseja que as pessoas tenham. É para ser ativo e colaborativo? Calmo e relaxante? Isso influenciará quais materiais você usará no local de trabalho para criar significados e um estado de ânimo – a base para elementos como marca, cultura e bem-estar dos funcionários.

Open workspace with raw brick walls, wood-textured LVT, and plenty of soft textiles to contrast

A seleção cuidadosa de materiais medeia nossa experiência interna e externa, por ouvir um estado de ânimo, estimulando com interesse visual e até equilibrando-se através do conforto acústico (Produto mostrado: Interface LVT, Level Set Textured Woodgrains).

Escolhendo os materiais certos

A visão é provavelmente o sentido em que mais nos apoiamos. Quando olhamos para uma peça de mobiliário, por exemplo, podemos contar muitas coisas sobre ela. Podemos dizer se é esteticamente agradável. Podemos ter uma ideia se é de boa qualidade ou não. Podemos prever como ele pode se comportar quando o usarmos.

Nosso senso de toque nos informará da mesma maneira. Podemos sentir se um tapete é felpudo ou plano enquanto o atravessamos. Podemos dizer se uma cadeira é confortável ou não depois de se sentar por apenas alguns segundos.

E, é claro, podemos ouvir as diferenças de materiais quando entramos em uma sala. Um espaço com muita textura é mais silencioso para nossos ouvidos do que um espaço aberto com superfícies limpas e brilhantes.

Cada uma dessas informações sensoriais informará nossos sentimentos sobre um espaço e se o usaremos para a finalidade a que se destina.

Light-filled, people-filled open workspace with privacy pods along the left window, collaboration space in the middle of the room and along the right wall.

As conexões multissensoriais podem ser usadas como uma ferramenta de design funcional para criar uma experiência mais centrada no ser humano (Produto mostrado: FLOR Roadside Attraction). Foto cedida por Steelcase.

Portanto, ao escolher materiais para um projeto, talvez faça algumas das seguintes perguntas:

  • Esse material enriquece a intenção e a experiência do espaço?
  • Como isso estimula múltiplos sentidos?
  • Como as pessoas se envolverão com isso?
  • Como esse material se comportará e se apresentará?
  • Como isso funcionará com outros materiais que você escolheu?
  • Como ele irá interagir com elementos naturais (luz, ar, som, temperatura) no espaço ao longo do dia?
  • Como isso contribui para a experiência física e emocional do usuário?

Nossa compreensão do ambiente construído e seu impacto no sistema nervoso está evoluindo em um ritmo revolucionário. Portanto, use seu entendimento das experiências sensoriais como uma ferramenta funcional para influenciar a maneira como as pessoas percebem o espaço. Eleve sua abordagem de design para criar espaços e escolher materiais com a experiência humana em mente. Isso tornará seu design não apenas mais bonito, mas também mais “sensível.”

 


Referências
 

1 Why Sensory Design? (2018) [publicação no blog] Available at: https://www.cooperhewitt.org/2018/04/03/why-sensory-design/

2 U.S. Environmental Protection Agency. 1989. Report to Congress on indoor air quality: Volume 2. EPA/400/1-89/001C. Washington, DC.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados

Como a Tecnologia está Afetando o Design?

31 agosto, 2018

Mudanças acontecem depressa. Com a tecnologia, as mudanças acontecem ainda mais depressa. Nossos aparelhos se tornaram segundos membros, enraizados em cada faceta de nossas vidas. A tecnologia transformou nossa cultura global de maneiras que nunca poderíamos ter imaginado. Ela nos conecta. Torna nossas vidas mais simples. Por outro lado, também pode nos isolar e polarizar.…

Apresentando o Novo Escritório com Estilo Residencial

20 Abril, 2018

O design do escritório evoluiu rapidamente nas últimas décadas. Primeiro, eram escritórios particulares. Depois, vieram os cubículos, que levaram a estações de trabalho pequenas e individualizadas. A entrada da geração do milênio no mercado de trabalho – sufocada pela falta de espaço pessoal e pelo desejo de colaborar – provocou um movimento no design de…