Por que Ikigai é a Filosofia de Design Que Todos Nós Precisamos Agora

Nota do Editor: Este artigo foi originalmente publicado no site da Vogue como parte de uma parceria de contenúdo.  

Seja se orientando pela felicidade ou abraçando a hygge, filosofia dinamarquesa de uma vida aconchegante, parece que sempre que você se atualiza em uma nova tendência do design, os insiders já estão de olho na próxima. Portanto, embora a ascensão de Ikigai fosse intrigante, o ceticismo parecia certo. Ikigai, que se traduz em português como “ter um propósito”, tem origem japonesa, associada ao sentimento de autorrealização conquistado por buscar uma vida com significado. Hoje, vem sendo adotado pela comunidade criativa. Mas, ao contrário de outros movimentos de decoração que envolvem, digamos, livrar seus armários de objetos sem alegria ou se cercar de adoráveis ​​almofadas e encantadoras cerâmicas, não é tão ditatorial. Afinal, quem pode contestar a ideia de um design orientado para um propósito?

Para nossa sorte, a indústria do design está adotando Ikigai não como uma tendência, mas como uma filosofia que se reforça com o tempo – e que veio para ficar. Kari Pei, VP de Design Global da Interface, empresa comercial global de pisos, aprendeu sobre Ikigai há muitos anos, enquanto trabalhava no Japão ensinando fábricas japonesas a usarem programas de tecelagem franceses. “Ao longo dos anos, estudei design, cultura e arquitetura japoneses. A cultura japonesa se esforça para trabalhar em harmonia com o ambiente natural, que está no centro de nossa missão. O conceito de Ikigai combina perfeitamente com meus próprios objetivos pessoais de design (bem como com os da Interface)”, diz ela. “Eu penso em Ikigai como uma crença existencial intimamente relacionada ao bem-estar e felicidade, através da conexão com os outros e com a natureza.”

Partindo do pressuposto de que um bom design deve existir em harmonia com a natureza, Pei e sua equipe se dedicaram a criar carpetes modulares modernos e bonitos tendo o meio ambiente em mente. O resultado: a coleção da Interface de tirar o fôlego – Embodied Beauty™. Inspirada pela estética japonesa atemporal, a coleção não é apenas bonita, mas é também inovadora, já que todos os sete estilos de Embodied Beauty são neutros em carbono em todo o ciclo de vida do produto, com três deles sendo carbono negativo quando medidos “cradle to gate” (desde a criação até a remessa pela fábrica). Em última análise, todas as opções da Embodied Beauty ajudam a reduzir a pegada de carbono de um espaço. “O objetivo da Interface é liderar uma re-revolução industrial ou mostrar ao mundo que os negócios podem ser usados ​​como uma força para o bem”, diz Pei, que tem a missão de criar produtos que beneficiem o meio ambiente. “Temos uma responsabilidade com o planeta”, diz ela. “Cada vez que produzimos um carpete modular, estamos usando energia e recursos que não são facilmente reabastecidos. É por isso que trabalhamos tanto para minimizar a pegada de carbono de nosso piso, usando materiais de base biológica e conteúdo reciclado.”

Produtos apresentados: Sashiko Stitch™ (Cor: Jadeite) e Shishu Stitch™ [-CO2] (Cor: Ash

Sendo assim, tudo, desde a escolha dos materiais até o peso do carpete, e até mesmo a composição da base dos módulos, foi considerado em termos de impacto ambiental. “Usamos uma máquina totalmente nova e fios novos para criar os produtos negativos em carbono para a coleção Embodied Beauty, então trabalhamos com um conjunto de ferramentas totalmente novo, que influenciou tudo, desde alturas dos módulos ao design, texturas e cores”, diz Pei.

E o melhor de tudo, não tivemos que abandonar o estilo para garantir a sustentabilidade. A coleção Embodied Beauty reflete a simplicidade tantas vezes associada à cultura japonesa. Em linhas gerais, a coleção envolve cinzas suaves em tons quentes e frios, juntamente com cores naturais para adicionar dimensão. Arquitetos e designers de interiores são especialmente atraídos pelos módulos por sua riqueza de possibilidades texturais, o que os ajuda a criar, sem esforço, pisos que parecem luxuosos, mas são neutros o suficiente para trabalhar com uma infinidade de paletas.

O que deu a Pei como designer tanta licença criativa é que Ikigai é uma visão de mundo que complementa outras escolas de design. Seja você um minimalista ou maximalista, um fã do design de meados do século ou da Art Nouveau, o propósito de Ikigai permite que ele seja uma força suave e orientadora. “Fomos inspirados por muitos artesanatos tradicionais japoneses. Em primeiro lugar, a arte do kintsugi, que cria algo totalmente novo e bonito através do ato de consertar algo que esteja quebrado”, afirma Pei. “A criação desses produtos de armazenamento de carbono pega algo tradicionalmente visto como um inimigo – o carbono – e cria um produto que ajuda a consertar nosso meio ambiente danificado, então estamos meio que invertendo o roteiro.” E o fato de que seu trabalho manual se manifesta em módulos (ao invés de tapetes tradicionais) torna mais fácil do que nunca controlar a pegada de carbono de um espaço – os designers podem utilizá-los em uma área aberta, como um escritório, ou organizar os módulos para acomodar qualquer metragem quadrada existente, em qualquer configuração criativa.

Pei também foi capaz de incorporar outros elementos de design japonês sob a proposta de Ikigai. Ela se inspirou na ideia de wabi-sabi, ou abraçar o imperfeito, conforme revelado nos padrões de piso não tradicionais encontrados em Geisha Gather™. Teve como inspiração também sashiko, uma técnica de costura decorativa usada para reforçar tecidos, como pode ser visto nos produtos Sashiko Stitch™ da Interface. Outro artesanato tradicional japonês chamado boro – uma bela técnica de combinar tecidos remanescentes, criando assim uma colcha de retalhos de textura e cor – desempenha um papel fundamental.

Então, se você está pronto para mergulhar neste movimento de design e elevar seu espaço sem esforço, um piso desenvolvido com o carpete Embodied Beauty da Interface pode facilmente ser a peça principal de um projeto de decoração focado em Ikigai. Enquanto os modismos do design vêm e vão, esse novo pensamento – com sua praticidade inata e ethos ecologicamente correto – nunca sai de moda.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados

Bem-estar no “Novo Normal” por meio do design biofílico

agosto 27, 2020

Ao avaliarmos as opções para retornarmos aos espaços públicos, é fundamental que saúde e bem-estar sejam considerados. Obviamente, o objetivo neste caso é minimizar o contato e proteger a saúde respiratória. Mas é fundamental também apoiarmos uns aos outros, utilizando intervenções que promovam nosso bem-estar emocional.